terça-feira, 21 de julho de 2015

Homem salva mais de 100 cães de enchente no RS

José abrigava animais de rua em terreno ao lado de casa. Durante a enchente, os cães foram levados para o interior de um ônibus velho que possuía.

Esse é um caso de solidariedade e amor aos animais. Foi transmitida em diversos canais de televisão e contado em muitos sites jornalísticos esse mês de julho. Mas li a reportagem completa no G1. Caso queira ler na íntegra, basta clicar aqui

Mais de 100 cães dentro do ônibus
(Foto: Nelson Fernandes/Arquivo Pessoal/Via G1)
Trata-se de uma atitude de um humilde morador de Alvorada, Região Metropolitana de Porto Alegre, que comoveu a comunidade gaúcha e também sensibilizou usuários de redes sociais. 

José Damião dos Santos, de 47 anos, perdeu quase tudo na enchente que atingiu a cidade nessa semana. Mas não perdeu seu amor aos mais de 100 cães de rua que ele cuida. 
Em meio ao desastre da enchente José não abandonou seus cães: os animais foram recolhidos e colocados dentro de um ônibus, assim sendo salvos da água que invadiu casas e alagou ruas. Além dos cachorros que já cuidava antes da enchente, José também salvou outros deixados pelos donos quando tiveram que sair de suas casas inundadas.


A atitude de José foi parar em uma rede social e a postagem teve mais de 20 mil compartilhamentos. Com a popularidade do caso, ele começou a receber doações para alimentar os animais.

José trabalha na Ceasa de Porto Alegre, é casado, pai de três filhos - uma filha de apenas 10 meses. Tem 15 cachorros em casa e conta que recolhe cães abandonados há anos e os abriga em um terreno baldio, ao lado de onde mora. 

“Eu tirei todos eles da rua, eram todos abandonados, não tinham dono”
disse José em matéria ao G1

Durante a enchente os cães foram levados para dentro do ônibus
Foto: Nelson Fernandes/Arquivo Pessoal/Via G1 

Solidariedade contagia

A história também sensibilizou o voluntário Nelson Fernandes, que há dias socorre vítimas da enchente em Alvorada usando uma moto aquática. Ele decidiu ajudar: com um jipe emprestado de um amigo, rebocou o ônibus velho até um terreno oferecido temporariamente por uma associação, no bairro Formosa. 

“Também sou fã de cachorro, tenho quatro em casa, e decidi ajudar. É um lugar improvisado, mas está seco”, 
disse o voluntário Nelson ao G1 .

Fonte: G1